Kit para IASTM: o que e por que você precisa ter

11 de setembro de 2019

A Mobilização Miofascial Instrumental, ou simplesmente IASTM, compreende a mobilização de tecidos moles (fáscia) em indivíduos diagnosticados com disfunções miofasciais com o auxílio de ferramentas que trazem mais eficácia ao tratamento. Contudo, muitas áreas do corpo humano podem ser afetadas por tais problemas. O que leva à pergunta: como seria possível tratar todas elas com um único instrumento? É desse ponto que se origina a importância do Kit IASTM.

Um Kit IASTM reúne diversos instrumentos, em diferentes formatos, pensados individualmente para atingir áreas específicas do corpo. Essas ferramentas também poupam o fisioterapeuta do esforço desgastante durante a aplicação, já que proporcionam a pressão adequada com facilidade, de modo a dar eficácia ao tratamento. Então, é graças a essa variedade que o profissional pode alcançar os diferentes tecidos, em suas diferentes localidades – o que, manualmente, seria um problema.

Mas, além disso, existem também diferentes tipos de kits, montados especialmente para atender a tipos variados de lesões miofasciais. Cada paciente procura a sua ajuda para se ver livre de um tipo específico de dor. As pessoas possuem vivências e problemas próprios. Assumir que apenas um tipo de instrumento de mobilização, ou mesmo um único kit, seja o suficiente, é o mesmo que se contentar em oferecer experiências limitadas. Por essa razão, nós, da Reabilitech, desenvolvemos diversos Kits IASTM!

Veja cada um deles a seguir e entenda melhor o porquê de você precisar deles!

Mioblaster

O primeiro Kit IASTM (imagem acima) do qual falaremos é formado por ferramentas mais versáteis para a prática da liberação miofascial. Ele possui 5 instrumentos, nos mais diferentes formatos. Com isso, oferece diversas possibilidades de utilização, com o máximo de funcionalidades.

  • Gancho: graças às curvaturas diferentes em cada lado, o gancho é próprio para trabalhar membros inferiores, superiores, pescoço, mãos, pés e face;
  • Gota: ideal para aplicação nos membros inferiores e tórax;
  • Meia Lua: possui o formato e acabamento perfeitos para a manipulação do tronco;
  • Guidão: conta com uma curvatura e formato arredondado que permite a aplicação em áreas maiores do corpo. Além disso, tem um acabamento que possibilita um alcance mais profundo, sem causar dores maiores ao paciente;
  • Soco: trata-se da mais versátil das ferramentas IASTM do kit Mioblaster. Ele possui diferentes curvaturas em toda sua volta. Isso proporciona alcançar os mais diversos tipos e profundidades de tecidos.

Caso queira saber mais sobre a técnica da liberação miofascial instrumental, basta acessar nosso blog. Para mais detalhes sobre os instrumentos clique aqui!

Gatilhex

kit iastm

Este Kit IASTM, por outro lado, foi especialmente projetado para dar mais firmeza à manipulação dos tecidos durante a liberação dos pontos-gatilho, ativos e latentes; pequenos, médios e grandes.

  • Polegar: essa ferramenta reproduz o formato do dedo polegar. E, como é de aço inoxidável – assim como todas as outras peças -, exige por volta de um terço da força que seria aplicada manualmente. Seu formato é ideal para a liberação de pontos-gatilho médios e grandes;
  • Caneta: desenvolvida para atingir pontos mais específicos – superficiais ou profundos – por possuir calibre menor que um polegar. É perfeita para trabalhar suboccipitais, mãos e pés, até disfunções da ATM;
  • Carimbo: equipamento mais robusto, voltado para pontos-gatilhos grandes.

Para mais detalhes sobre pontos-gatilho, como aliviá-los, bem como as diferentes formas de tratamento acesse este texto. Caso esteja interessado nos instrumentos vistos, basta clicar neste link!

Crochetex

kit iastm

A crochetagem é uma técnica cada vez mais utilizada pelos fisioterapeutas, porque é muito eficaz ao complementar outros métodos e técnicas. Seu Kit IASTM é formado por instrumentos semelhantes a ganchos. Com eles é possível relacionar sua ação ao desenvolvimento fisiológico natural. Ou seja, a técnica leva em conta o processo natural de cura ou reparo do tecido conjuntivo que reveste as fibras musculares.

Com a crochetagem, o fisioterapeuta realiza a ruptura e dissolução de aderências nesses tecidos, liberando a musculatura para sua modelagem estrutural, amortecimento de impactos, transporte de nutrientes e armazenamento excessivo de gordura.

A técnica consiste em realizar movimentos cruzados, muito parecido ao ato do crochê tradicional. Isso pode ser feito no sentido longitudinal ou transversal da fibra muscular ou do músculo como um todo.

Para mais detalhes a respeito desses instrumentos, basta acessar essa página!

A variedade entre os Kits IASTM é grande, não é mesmo? Conhecendo um pouquinho a respeito de cada um deles e suas utilidades, podemos perceber facilmente por que cada um deles é importante!

Posts Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *