Fáscias: o que são e qual o seu papel dentro de nosso organismo?

19 de outubro de 2018

Muitas pessoas não tem ao menos conhecimento da existência das fáscias. Porém, muitos problemas de saúde, dor e até mesmo fatores relacionados à beleza tem sua origem na fáscia. O seu papel é, portanto, bastante significativo dentro da estrutura complexa que é o nosso corpo. O conhecimento sobre a fáscia é, no entanto, especialmente importante para os profissionais que trabalham com o sistema musculoesquelético. Seja no tratamento de lesões, no alívio de dores ou de outras disfunções. Notamos, assim, sua particular importância para os fisioterapeutas.
Mas o que é a fáscia, afinal? Para que ela serve? Por que é assim tão importante? Vamos descobrir.

Definição de fáscia

A fáscia é um sistema do corpo com a aparência bem similar a uma teia de aranha. Mais claramente, essa “teia” nada mais é do que um tecido conjuntivo fibroso. Uma tecido gigantesco que cobre e interpenetra cada músculo, osso, nervo, artéria e veia. Além de todos os nossos órgãos internos, incluindo o coração, os pulmões, o cérebro, a medula espinhal etc.

fáscia
Imagem: Medium

Não se trata de um tecido que se interrompe. A fáscia é contínua e percorre todo o organismo, de nossas cabeças aos nossos pés, sem interrupção. Dessa maneira, podemos perceber que a fáscia mantém cada parte do corpo conectada. E isso é uma de suas mais importantes características, principalmente quando se fala de tratamentos envolvendo dores musculares, lesões etc. Por isso muitos problemas podem estar relacionados à fáscia. Afinal, ela está em toda parte.
A vitalidade e a força da fáscia é, portanto, fundamental para a saúde e o trabalho em conjunto de todos os sistemas do corpo. Vamos entender isso mais detidamente a seguir.

Para que servem as fáscias

Como vimos a fáscia envolve e interliga todas as estruturas do nosso corpo. Com isso, ela fornece uma camada protetora contra traumas externos, tanto aos órgãos, como ao corpo como um todo.
A fáscia também desempenha um importante papel de apoio ao sistema músculo esquelético. Esse suporte permite que realizemos atividades funcionais, como levantar quando estamos sentados, andar, pular e correr. Além disso, o fato de o sangue, os nervos e os músculos estarem envolvidos e penetrados pela fáscia, permite que órgãos deslizem suavemente um contra o outro.
Tudo é determinante em nossa capacidade de suportar estresse e realizar atividades diárias.

Fáscia
Imagem: Shutterstock

O que acontece quando a fáscia é afetada negativamente?

Em seu estado saudável, a fáscia tem um aspecto ondulado e relaxado. Podendo se alongar e mover sem restrições. Mas quando nosso corpo sofre traumas físicos ou emocionais, está em processo de cicatrização ou inflamação, a fáscia perde essa flexibilidade.
Isso significa que ela se torna restrita. Logo, não oferece mais o suporte adequado, transformando-se em uma fonte de tensão para todo o corpo. Isso acontece, lembre-se, porque a fáscia está interligada. Então, traumas em um determinado lugar podem ser sentidos em outras partes do corpo. De fato, estudos já mostraram que a tensão fascial no joelho, por exemplo, pode ter consequências em lugares como o quadril ou o tornozelo.
Entre esses traumas poderíamos pensar em quedas, acidentes de carro, cirurgias ou, simplesmente, a postura incorreta, bastante comum entre as pessoas. Assim como lesões por esforço repetitivo, que apresentam efeitos cumulativos no corpo.
As alterações que esses traumas provocam no sistema fascial influência no conforto e nas funções do corpo. Restrições fasciais causam um fluxo sanguíneo ruim, impulsos nervosos mais fracos, flexibilidade e amplitude de movimento limitadas, além de uma série de outros problemas. Os sintomas decorrentes podem ser dores musculares, dores de cabeça ou restrições nos movimentos.

Como resolver quando há problemas na fáscia?

Fáscia
Imagem: Shutterstock

Mas podemos então agir sobre a fáscia a fim de resolver todos esses problemas?
Existe um nome específico para essas alterações causadas por traumas que atingem a fáscia e que tem consequência sobre os músculos. Ou o contrário: traumas sobre os músculos que apresentam influência sobre a fáscia. São as restrições miofasciais. “Mio” refere-se a músculos e “fascial” à fáscia. Portanto, podemos ver que o seu próprio nome indica como os dois estão intimamente relacionados.
Muitos pacientes tomam medicamentos para o alívio das dores ou são submetidos a tratamentos da fisioterapia tradicional, ocupacional ou à massagens. Mas nada dessas opções surtem efeito de fato. São temporárias. Isso acontece porque nenhum deles trata a restrição miofascial diretamente.
Apenas a Liberação Miofascial é capaz de tratar todo o complexo miofascial, eliminando a pressão e a restrição que causa os sintomas. Saiba mais sobre a técnica em um blog que temos preparado especialmente para o assunto!
Alguns dos problemas tratados pela Liberação Miofascial são:

Especializar-se na técnica de liberação miofascial está no alcance de qualquer profissional interessado. Basta que procure por instituições competentes que ofereçam cursos que capacitam fisioterapeutas a serem aptos para a função!

Posts Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *