As diversas aplicações da Crochetagem na Fisioterapia

18 de setembro de 2019

Em 1940, Kurt Ekman, fisioterapeuta sueco e discípulo de J. Cyriax, descobriu a existência de corpúsculos irritativos inter-aponeuróticos e mio-aponeuróticos. O problema desses corpúsculos é que eles levam à inflamação e prejudicam a mobilidade entre as fáscias presentes nos tecidos. A fim de quebrar ou isolar esses corpúsculos, assim como outros tecidos fibrosos entre duas superfícies fasciais, Ekman criou a técnica fisioterápica da crochetagem.

Para realizá-la, Ekman desenvolveu ferramentas que muito se assemelham a ganchos. Por meio desses instrumentos é possível explorar o tecido mais analiticamente. O que também permite aos profissionais aplicarem o ato de fibrólise, ou seja, de destruição de tecido fibroso ao realizar movimentos cruzados em “zig-zag” com a ferramenta.

Esse ato é muito importante durante diversos tratamentos, pois os corpúsculos fibrosos e demais aderências restringem a elasticidade do tecido conjuntivo. Consequentemente, a eficiência metabólica, assim como os mecanorreceptores dos pacientes, são prejudicados.

Além de ser uma técnica ótima para a reabilitação de lesões, a crochetagem também é bastante utilizada para a prevenção desses problemas. Por isso é tão popular entre atletas, já que, durante seus treinos diários, eles costumam acumular bastante tensão e microtraumas que criam aderências!

Mas isso não significa que ela seja satisfatória apenas para atletas. Muito pelo contrário: todos nós acumulamos tensão decorrentes das ações mais simples, como a postura inadequada, por exemplo.

crochetagem fisioterapia
Imagem: Shutterstock

Ao se aplicar a crochetagem, a recomendação é de que o fisioterapeuta relaxe os tecidos do paciente, devido ao formato dos ganchos e também para uma eficiência maior durante a aplicação. Em outras palavras: com alongamentos e mobilizações na estrutura a ser tratada.

A Crochetagem como técnica complementar na Fisioterapia

Graças a sua eficiência, a crochetagem está sendo bastante aplicada entre fisioterapeutas, principalmente devido à rapidez com que as melhorias são sentidas.

Porém atenção: nem todos sabem, mas essa técnica é complementar a outros métodos e técnicas. Raramente um fisioterapeuta irá oferecer uma sessão de crochetagem apenas. Ela é na verdade utilizada em conjunto com diferentes frentes da fisioterapia manual, tais como:

  • Reumato: junto a tratamentos de fascite plantar, condromalácia patelar, túnel do carpo, esporão e artrose;
  • Dermato: em casos de pós-operatório, para tratar, por exemplo, cicatrizes ou aderências tardias;
  • Traumato: em casos de patologias que afetem o sistema musculoesquelético, tais como tendinite, trauma, estiramento, capsulite, pontos-gatilho e tensão muscular;
  • Neuro: eficaz para casos de espasticidade, bem como outras áreas de acordo com as necessidades do paciente.

Gostou do post? Para saber mais sobre outras técnicas manuais que, assim como a crochetagem, fazem uso de instrumentos, acesse outros textos do nosso blog e fique por dentro de tudo:

Posts Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *